fbpx
(11) 2295-0039 / Whatsapp agendamento e consultas: (11) 9.9338-9265 / contato@commadre.com.br
Whatsapp cursos: (11) 93942-9954 / cursos@commadre.com.br

Como acompanhar parto com expulsivo prolongado

por | 16/02/2022

O expulsivo prolongado costuma gerar muito stress na equipe que está atendendo parto normal. Mas, afinal, o que pode ser considerado um expulsivo prolongado? Bom, primeira coisa é entendermos que a literatura define como expulsivo o período no qual a mulher se encontra com dilatação total. No entanto, ao contrário do que muita gente acredita, o expulsivo não é sinônimo de nascimento. Mesmo com dilatação total pode existir ainda um caminho longo a ser percorrido antes que o nascimento de fato aconteça. Esse período pode acontecer, segundo a literatura em até 3 horas, sendo considerado diferente para as nulíparas e multíparas. Na prática, como equipe de assistência respeitosa, já tivemos expulsivo de bem mais de 3 horas e vale ressaltar que a segurança no parto depende de várias situações.

É preciso ter clareza que o expulsivo realmente possui duas etapas sendo que a primeira corresponde à dilatação total, colo totalmente dilatado e a cabeça do bebê na entrada da vagina. A cabeça do bebê precisa percorrer todo o canal vaginal para chegar na segunda etapa do expulsivo. Sendo que a segunda etapa corresponde à cabeça do bebê na vulva, quando é possível identificar o movimento de báscula (movimento natural de ida e vinda da cabeça do bebê no períneo).

É fundamental que tanto a Parteira (Enfermeira Obstetra ou Obstetriz) quanto a médica(o) obstetra tenham conhecimento dessas etapas para ter discernimento do que precisa ser feito em cada uma delas com tranquilidade. É importante ainda termos em mente que para cada mulher, há um tipo de expulsivo pois cada canal vaginal é diferente e cada bebê passa pelo canal de uma forma. Por isso, precisamos cada vez mais treinar o olhar e oferecer cuidado individualizado.

– Mas Karina, como eu lido com o expulsivo prolongado? Com paciência, respirando fundo, entendendo como está o bem estar geral da mulher, do bebê e como o bebê está posicionado na pelve. Por exemplo, se o bebê está parado em zero de DeLee, está no estreito médio, então o que eu preciso fazer para ajudar o bebê a progredir? Seguir partograma é importante, mas só deixar que as coisas aconteçam às vezes não é o suficiente, é necessário estudar, ter um olhar clínico, estar presente, fazer ausculta de bcf, entender se a mulher precisa ser estimulada a fazer movimentos e qual movimento é o mais adequado para aquele momento que ela está passando e, além disso, é preciso ter paciência.

Esse olhar é fundamental, não adianta olhar somente a dilatação, é preciso observar a altura da apresentação, presença de contração (intervalo, duração…). O bebê não está descendo? O BCF está bom? Bebê está rodado, lateralizado? Onde está o bebê? Como está o bebê? Como está a mulher? Essas são perguntas necessárias em um expulsivo prolongado.

Estímulo de TP não é ocitocina!

Parteira precisa saber manejar o expulsivo prolongado pois não é a ocitocina que vai fazer o bebê nascer se ele não estiver bem posicionado. – Ah, Karina, não pode usar a ocitocina nunca? Às vezes ela pode ajudar sim, porque por vezes o que está faltando realmente é motor, é a ocitocina, mas o que estou falando é que ela não pode ser a primeira escolha. Não adianta ter “contrações ritmadas e boa intensidade e duração” se o bebê não estiver bem posicionado.

Além disso, o estímulo da ocitocina endógena sempre é melhor do que a exógena, então, o que é necessário fazer para melhorar a produção de ocitocina endógena? Lembrando que a ocito exógena se administrada de maneira inadequada pode levar consequências sérias para o andamento do trabalho de parto e desfechos maternos e fetais não tão satisfatórios.

Clique aqui para saber mais

Algumas ações que podem ser realizadas para auxiliar a produção de ocitocina de forma natural são: Acupuntura, acupressão, moxa, aromaterapia, estímulo mamilar, descanso, banho de chuveiro (…). Cabe à Parteira e à Obstetra presentes na cena de parto entender o que é melhor para cada mulher naquele momento.

Texto: Karina Fernandes Trevisan

Foto: Cibele Barreto Fotografia

Pin It on Pinterest

Share This