fbpx
(11) 2295-0039 - (11) 93800-6037 (Whatsapp) contato@commadre.com.br

Como o pai pode apoiar a amamentação?

por | 11/09/2020

Ela é o amor da sua vida, ninguém duvida disso. Foi uma história bonita a de vocês, tecida a quatro mãos (e muitos beijos, e algumas lágrimas). Um dia vocês casaram (ou foram morar juntos, tanto faz). Engravidaram (antes ou depois do tal casamento – que talvez nem tenha acontecido). Planejada ou não, a gestação aconteceu e você foi parceirão: acompanhou todas as consultas de pré-natal, teve compaixão com os enjoos dela, fotografou a barriga milhões de vezes, lavou as roupinhas, foi porto seguro na hora do parto. Então veio a amamentação e, com ela, as primeiras dificuldades, então você solta: “Se mamar, mamou, se não mamar, tudo bem”.

Opa! Pera!

Ela deseja amamentar? Então, meu caro, apoie-a, incondicionalmente! Ela está se doando e os benefícios do aleitamento são imensuráveis (não, não tem leite artificial que se compare ao leite materno. Não acredita? Busque evidências científicas). Leite materno é nutrição (a melhor que existe, feita sob medida para o seu filho), e, além disso, é doação de tempo, de carinho, é conexão, vínculo, é entrega.

“Ah, mas só ela pode amamentar”! Biologicamente, é uma verdade, mas o aleitamento é um processo dos dois. Então aí vão algumas dicas para você que deseja apoiar, mas não sabe como.

7 dicas para ser apoio na amamentação

1. Cuide dela: leve água, leve comida, deixe o ambiente confortável, apoie, acolha, seja parceiro, escute. Não busque soluções, muitas vezes, ouvir, basta. Seja incentivo e não desmotivação. Lembre que vocês são uma equipe e que antes de você ser pai, é companheiro dela!

2. Cuide do bebê para que ela descanse ou respire um pouco sozinha. As formas de manter vínculo com o bebê vão muito além da amamentação: você pode trocar fraldas, tornar o banho o momento especial de conexão entre você e o bebê pode ser muito gostoso.

3. Proteja sua companheira e seu bebê das visitas indesejadas e dos palpites que, muitas vezes, mais atrapalham do que ajudam.

4. Cuide de todo o resto: o processo de amamentar é cansativo (físico e mentalmente) especialmente nos primeiros dias, por isso, alguém tem que cuidar do entorno para que mãe e bebê tenham tranquilidade no processo.

5. Seja apoio! Quando a amamentação não está fluindo bem, você pode fazer uma massagem, ajudar a ordenhar o leite se for preciso, levar o bebê para ela amamentar, esterilizar os equipamentos (caso usem). Nem todo choro é fome e, mesmo que a necessidade seja o peito, lembre que ela precisa encontrar uma posição confortável, massagear as mamas antes de oferecer ao bebê, enquanto isso, você pode oferecer o dedo para acalmar o bebê antes de entregar, já que o bebê calmo, ajuda a não machucar nas mamadas.

6. O que ela precisa? Fazer a unha? Tomar um banho demorado? Tomar um café com uma amiga? Apoie, estimule pequenas ações de autocuidado: lembre que a saúde mental é muito importante.

7. Na dúvida, leve mais água: amamentar dá uma sede danada!

Danilo e Gabriele são pais da Lara, agora com 1 ano e 7 meses. Eles passaram por vários percalços na amamentação e contam parte da história nessa reportagem da Revista Crescer.

Pin It on Pinterest

Share This